Síndrome da Caverna: o que é, sintomas, tratamento e relação com pandemias!!!

Como lidar com essa síndrome que vem afetando muitas pessoas durante a pandemia e tende a continuar no pós pandemia.



Talvez você já tenha ouvido o relato de alguém que sentiu medo ao pensar em voltar para a rotina que levava antes do coronavírus. Se esse sentimento vier acompanhado de mal-estar, desconforto e até um início de crise de ansiedade, pode ser que haja o diagnóstico da Síndrome da Caverna (ou Síndrome da Cabana). Com a pandemia, o mundo foi submetido a uma realidade inédita e as pessoas precisaram aprender a lidar com novos perigos relacionados a um vírus e com o isolamento, que transformaram o cotidiano de cada um de uma forma. Os estudantes, possivelmente, foram uns dos mais afetados.

Com o retorno das aulas, de alguns profissionais para os escritórios e a reabertura dos comércios, muitos se viram obrigados a voltar a sair de casa e perceberam uma certa dificuldade ou pavor.

O que é a Síndrome da Caverna (ou cabana)

Ela foi citada pela primeira vez na literatura em 1900, nos Estados Unidos, para se referir a um tipo específico de dificuldade de socialização de caçadores que ficavam isolados por longos períodos em cabanas ao Norte do país. “O termo tem sido empregado para falar hoje das dificuldades que muitas pessoas têm sentido em retomar atividades, como sair de sair de casa para realizar situações que antes eram cotidianas, como ir ao trabalho ou colégio, ou até mesmo para situações necessárias e essenciais, como ir ao médico ou ao mercado.

“A possibilidade de sair acaba gerando um sofrimento. Algumas pessoas conseguem identificar isso, perceber os sintomas de ansiedade, e outras ainda não, tentando encontrar justificativas para não sair”.

A pessoa usa desculpas para não sair casa e, às vezes, a possibilidade de precisar fazer isso acaba gerando um quadro de ansiedade intensa, que pode culminar em sintomas físicos. Além do desconforto, há pessoas que passam mal só de ver outras ou com a possibilidade de retomar uma rotina há tempos modificada, sentindo dores de barriga, náuseas, tendo calafrios e até vivenciando crises agudas de ansiedade.

Se a pessoa perceber que a situação está trazendo um sofrimento ou a impedindo de viver, e caso o medo de sair de casa e de se socializar com amigos persista ao longo do tempo [após a imunização completa da população], talvez seja interessante procurar ajuda de um profissional de saúde mental, que pode indicar um acompanhamento terapêutico.

Fique atento às pessoas de seu convívio pois tem sido um crescente esse tipo de situação e comprometendo o desenvolvimento pessoal e profissional. Ajude e busque profissional qualificado para ajudar nesse processo.